Culto e Liturgia



ID: 2653

Batismo - aspectos antropológicos

Numa perspectiva antropológica, o batismo é um rito de passagem; mais especificamente, um rito de iniciação a uma sociedade alternativa.

Como ensinou van Gennep (GENNEP, Arnold van. Os ritos de passagem. Petrópolis: Vozes, 1978) há quase cem anos, ritos de passagem marcam a mudança de um estado para outro, de uma situação para outra, na vida de uma pessoa ou de grupos.

Para tanto, subdividem- se em ritos de separação do estado anterior, de transição e de agregação à nova situação.

Visto em perspectiva antropológica, o batismo é um rito de passagem. Como rito de passagem, é, mais especificamente, um rito de iniciação a uma sociedade alternativa.

A prática do batismo na igreja antiga, descrita mais adiante, mostra como podem ser eloqüentes os ritos batismais de separação do estado anterior, de transição e de agregação à nova situação.

Sendo um rito de iniciação a uma sociedade alternativa, o batismo não é, pois, um rito de nascimento ou de maternidade e paternidade, como boa parte das liturgias batismais da atualidade tende a sugerir. 

Fonte: Livro de Batismo da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil
- Portal Luteranos
 


AÇÃO CONJUNTA
+
tema
vai_vem
pami
fe pecc

Se reconhecemos as grandes e preciosas coisas que nos são dadas, logo se difunde, por meio do Espírito, em nossos corações, o amor, pelo qual agimos livres, alegres, onipotentes e vitoriosos sobre todas as tribulações, servos dos próximos e, assim mesmo, senhores de tudo.
Martim Lutero
REDE DE RECURSOS
+
Ninguém pode louvar a Deus a não ser que o ame.
Martim Lutero
© Copyright 2018 - Todos os Direitos Reservados - IECLB - Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil - Portal Luteranos - www.luteranos.com.br